Prisão de ventre em bebês

Prisão de ventre em bebês

04 Abril 2016 - 18:04
Publicado em:

Não há um consenso estabelecido no que se refere ao número de vezes em que um bebê deve fazer cocô. O fato é que pais e mães necessitam observar e, dessa maneira, encontrarem o que é o ideal para o seu filho, uma vez que cada bebê tem seu ritmo e o organismo pode responder a estímulos de maneiras distintas.

Todo e qualquer bebê pode apresentar dificuldade para defecar [Crédito: VisualHunt]

É importante ter a noção de que todo e qualquer bebê também pode apresentar certa dificuldade para defecar, mesmo que as fezes apresentem formato líquido ou pastoso. Nesse caso, é possível que os pais possam reparar as caretas que a criança faz quando está sujando a fralda. Esse esforço é considerado normal pelos especialistas.

Também é pertinente ter a noção de que, mais importante do que o número de dias sem fazer cocô, o que realmente tem relevância é o aspecto das fezes. Elas não devem apresentar dureza e também não devem ser secas.

 A constipação é um fenômeno raro em bebês de tenra idade, principalmente nos bebês que ainda estão na fase de mamar no peito. O cocô do bebê recém-nascido, de uma forma geral, apresenta formato pastoso ou quase líquido, possui tons amarelados e com pequenos grumos. Se seu filho estiver defecando cocô em forma de bolinhas, pode estar aí um indício de que ela esteja sofrendo com prisão de ventre.

O mais frequente é que os bebês que ainda mamam nos seios da mãe façam cocô várias vezes durante o dia nas suas primeiras semanas, no entanto, após esse período, eles podem passar a defecar apenas uma ou duas vezes na semana inteira. Essa frequência é considerada normal, de acordo com os pediatras e especialistas.

Enquanto isso, os bebês que bebem fórmulas lácteas possuem a tendência de fazer cocô apenas uma vez por dia, porém com uma consistência mais firme, mas às vezes eles defecam apenas uma vez a cada três ou quatro dias. Tal frequência também está longe de ser considerada anormal. Porém o cocô não deve estar demasiadamente sólido, sendo expelido aos poucos e em pequenos pedaços, acarretando desconforto na criança.

Os sintomas

Os sintomas de prisão de ventre aparecem, de uma forma geral, a partir do instante em que os bebês passam a consumir alimentos mais diversificados. Nesse caso, os sintomas da prisão de ventre correspondem a dor de barriga, abdômen rígido, vestígios de sangue nas fezes devido a rachaduras na região do ânus, cocô em formas de bolinha, desconforto gástrico e, em determinadas situações, fezes quase líquidas.

Os fatores que podem acarretar a prisão de ventre em um bebê consistem nos novos alimentos colocados na dieta da criança, desidratação e também a auto obstipação, que ocorre quando a criança segura o próprio cocô por pensar que se trata de um processo doloroso.

Os tratamentos da prisão de ventre

Para prevenir e também tratar de forma adequada o problema da prisão de ventre, é necessário adotar algumas medidas, tais como fazer com que o bebê efetue alguns exercícios de movimento. Para isso, vale mexer as suas perninhas como se ele estivesse a pedalar uma bicicleta. Massagear o ventre da criança também é uma medida viável, bem como aumentar a quantidade de líquido para o bebê tomar.

Se for dar laxante ou fazer uso do supositório, é necessário consultar o pediatra.